sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A nova cara do Pelô!



Centro histórico de Salvador passa por processo de revitalização.


O Plano de Revitalização do Centro Antigo de Salvador é resultado de um pacto entre as três esferas do governo: união, estado e município, que propõem transformar a realidade social, econômica, ambiental, turística e cultural, com foco na sustentabilidade local. Essa demanda decorre da transferência do centro administrativo de Salvador para a Paralela, culminando com alto índice de esvaziamento local.

Para realização desse projeto foi criado, através de um decreto, em 2007, o Escritório de Referência do Centro Antigo de Salvador (Ercas). Uma unidade da Secretária de Cultura do Governo do Estado responsável pela elaboração do Plano de Revitalização Integrado e Participativo para o Centro Antigo de Salvador. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área possui extensão de 7 km² e abriga aproximadamente 80 mil habitantes.

Segundo o escritório, no Centro Histórico vem sendo desenvolvido um trabalho de estruturação específica com a participação da população a partir das câmaras temáticas. A primeira foi realizada em julho de 2008, contou com a participação de técnicos do governo, sociedade civil, organizações sociais, iniciativa privada e governo, que apresentaram propostas para melhorar o programa.

O debate reuniu 400 pessoas, que trouxeram contribuições baseadas nas suas vivências. Esse é um ponto ressaltado pela coordenadora do Ercas, Beatriz Lima.
Contudo essa afirmação é coloca em cheque pelo presidente da Associação dos Comerciantes do Pelourinho (Acopelo), Leni Cunha, “nós tínhamos a necessidades de algumas mudanças imediatas, que refletissem diretamente o estado de necessidade da comunidade e dos comerciantes. Eles não priorizaram isso”, esclarece.

Um dos pontos abordados pelo Plano de reabilitação é a importância da educação patrimonial, pois “o público que menos vem aqui é o soteropolitano”, pontua a coordenadora do Ercas. Falta à população baiana conhecer mais a cidade para poder usufruir mais das belezas que Salvador possui.

De acordo com o Ercas o plano está alinhado com a política desenvolvida pelo programa nacional de reabilitação de áreas centrais do Ministério das Cidades, com as três instâncias do governo: união, estado e município e, com a Unesco, que participou com contratação de consultores para desenvolver estudos, diagnósticos e análises para a região.

A realização da ultima câmara temática acontecerá em 11 de dezembro, quando será apresentada as preposições para o centro antigo com o que precisa ser executado. Estima-se que isso ocorra em até quatro anos.

domingo, 22 de novembro de 2009

Projetos sociais elevam a auto-estima de jovens

“Não queremos criar plaboys pobres”. A declaração de Alexandre de Jesus, coordenador de projetos do Instituto Eletrocooperativa, reflete a ideologia de uma organização preocupada em incluir os jovens baianos em uma realidade diferente das estatísticas.

Fundada em 2003 no Centro Histórico de Salvador-Pelourinho o instituto assiste a 40 jovens semestralmente e foca na formação de valores através da arte para que eles possam ter consciência de suas produções, sabendo explorar mais criticamente a arte.

As pessoas assistidas pela organização passam por uma seleção, na qual os critérios são em um primeiro momento, avaliação dos valores sociais que os jovens possuem, situação sócio-econômica, conhecimento sobre alguma linguagem áudio visual.

O coordenador explica que dentro do projeto as atividades são desenvolvidas através de metodologia intitulada escala de valores.

“Nós temos uma escala de valores nossos como a alegria, o prazer em servir, a coletividade, a coragem, a generosidade, flexibilidade, a gratidão e espiritualidade”. É por meio dessa formação que os jovens se sentem mais valorizados.

Veja abaixo depoimento do estudante Vitor Hugo Santos,23, a respeito da sua experiência ao longo desses cinco anos no projeto.



Outra organização que atua nesse segmento é a Cipó Comunicação, com o projeto OI Kabum, que trabalha com adolescentes entre 16 e 19 anos, nas linguagens de fotografia, design, computação gráfica e vídeo. O programa contempla uma formação de um ano e meio para jovens selecionados.

Sandra Loureiro, coordenadora pedagógica do projeto, salienta que não trabalham somente com o aspecto da formação técnica, mas também com a expressão artística, que acaba por estimular a auto-estima dos jovens.

“Quando trabalhamos a auto-estima do sujeito, também trabalhamos o respeito ao outro”, declara Loureiro.

Veja abaixo o depoimento de Tiago, aluno de design da Oi Kabum.


domingo, 15 de novembro de 2009

Pelô quer planejamento familiar

Jovens, adolescentes, turismo, sexualidade. Esses são alguns dos temas mais recorrentes abordados pelas Organizações Sociais sem fins lucrativos.

Mas quais os temas que as Organizações Sociais não exploram? E quais os que são de interesse da população?

Fomos às ruas do Centro Histórico para saber dos moradores e comerciantes se há interesse pelo tema "Planejamento familiar".  Confiram o vídeo abaixo.


quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Visual site ABONG

A Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais (Abong) é a entidade de que representa as instituições desse setor.

Seu site, apesar de informações de interesse das organizações, não está atrativo para leitura on line. 

Itens que podem ser melhorados: fonte, espaçamento, troca das cores e outros que facilitem e chamem atenção do navegador.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Projeto Axé

Criado em 1990 em Salvador, por iniciativa de Cesare de Florio La Rocca, o Projeto Axé foi pensada para atuar na lacuna deixada pelos poderes públicos na inclusão de jovens e crianças deixadas à margem da sociedade.

A organização atua de maneira educativa e, ao mesmo tempo, profissionalizante, para resgatar a dignidade e possibilitar um futuro para as crianças e jovens baianos.

De acordo com informações do site, o Axé assiste a 1547 crianças e jovens de 5 a 21 anos. Desse total, cerca de 40% são meninas. A estimativa é que em 15 anos de existência a organização tenha atendido aproximadamente 13.700 crianças e adolescentes.

Organizações Sociais do Centro Histórico de Salvador